15 março, 2008

Marfim

:: Desfile da Mangueira em 2008 (Liesa) ::


Às vezes, eu me sinto como um elefante, que nunca cansa de elevar seus dentes, mesmo quando eles pareçam ser pesados demais para suportar. Aliás, quanto mais pesado, mais valioso meu marfim será.

Por isso, não posso reclamar do fardo. Mesmo com certa dose de tristeza das palavras coladas no portão da velha casa, é preciso suportar. Enfrentar é preciso; prostrar-se, opcional; descansar, às vezes. Cansar-se, não quero mais.

Eu reconheço, caros senhores: o sol que brilha na savana pode parecer por demais a pino. Mas eu continuo a enfrentar o caminho nessas areias, seguindo adiante, passo a passo, lenta ou rapidamente. E sempre, sempre com a exuberância dos meus marfins que ostento no mundo.



[Ziggy, amigo. Não sei se essas palavras refletem exatamente o futuro sobre o qual brevemente conversamos, mas espelham a resposta de uma alma diante de um certo pesar que os últimos posts passaram. Obrigado por aquele comentário. A você, dedico esse pequeno textinho, que une na foto uma grande paixão minha: o carnaval]


13 comentários:

Mr. Ziggy disse...

"Mas eu continuo a enfrentar o caminho nessas areias, seguindo adiante, passo a passo, lenta ou rapidamente. E sempre, sempre com a exuberância dos meus marfins que ostento no mundo."

Daniel, amigão,

Seus marfins são lindos! Fazem os olhos da alma da gente se emaranhar, porque transparecem a mais bela essência de um espírito sensível , capaz de captar no sutil a beleza que este pode nos oferecer.

Caminha mesmo, vá em frente seguindo seu curso, que estou aqui, assentado sobre uma pedra, vendo-te avançar e transcender-se em palavras, gestos e poesia, poesia, poesia, poesia...

Obrigado por levar em consideração minhas palavras, que sempre são ditas aqui com muito carinho, consideração e respeito .

A cada dia que venho a essa casa NOVA (do "velho" você traz o novo também!), é uma satisfação infinda. É que é um dom tão lindo você tem; é tão, mas tão seu!

Continue a usá-lo para a edificação própria e dos outros, consagre cada vírgula "sua" a Deus, que os céus ligarão lá o que você tem conectado aqui.

Transbordei nas bandas de cá... Não tem como não me comprazer ao me deparar com o Belo.

Abração, amigo! E desculpa ps excessos, mas é que eu amei demais.

PS: Feliz Dia da Poesia! Quando puder, veja a homenagem pra você lá em Pesar de Alma! Li alguns dos seus textos que me indicou; eu gostei muito! Só que eu sou uma anta e fechei a janela do msn, daê ficou faltando alguns. E agora?

Inté!

Anônimo disse...

O importante é mesmo não desistir. Seguir em frente, a despeito de todas as dificuldades...

Beijos.

Pedro Gabriel disse...

Opa. Fazia tempo que não navegava pelos blogs. Estou tentando organizar um livro de poesia, ou de contos, ou um livro mesmo. Mas, sei lá, cada vez que tento me concentrar em algo, sempre surge uma nova idéia. Por isso, vivo me "movimentando na inércia" haha

Vejo que a criação não pára por aqui. Amei o texto "Poeira". Adorei "Dois Andares". Você já tem algo publicado ?

grande abraço.
;-)

Filipe Garcia disse...

Oi Daniel.
Legal demais a metáfora do marfim: nossa cruz, nosso peso...

A figura do elefante caiu perfeitamente ao título do seu blog e, consequentemente, aos seus textos que remetem á saudade de tempos eternos. Aliás, não são os elefantes que nunca se esquecem de nada?

Me desculpe por não acompanhar todos os seus textos. Estou sem internet em casa. Mas prometo voltar e ler os que perdi.

Abraços

Romeu disse...

Lindas palavras. Abraços

Anônimo disse...

Belas palavras Daniel. Abraços

FlaM disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Dauri Batisti disse...

Gostei bastante da imagem, marfins que ostento no mundo.

Grande abraço.

Cris Collyer disse...

QUANDO SE PERDE UM MARFIM,NASCE OUTRO?
DEMORA MUITO?
DOI?


ACHO QUE PERDI UM JÁ...ESPERANDO NASCER UM NOVO...

OBRIGADO PELAS LINHAS
C

Marco Antonio disse...

Como diz a música, "É preciso saber viver".

Mesmo com todos os espinhos, aprendemos que a vida continua e que é importante saber seguir em frente. A vida nos ensina muito.

E você também, com suas palavras, trazem ao mundo uma sabedoria de quem já pisou em espinhos e persiste.

Marco Antonio disse...

E para descontrair... minha Mangueira é linda e foi muito injustiçada em 2008!

Bárbara Matias disse...

Ei Dani...

Gostei muito! gostei muito de ver essa força.. essa coragem!
Você escreve o que não cabe na minha cabeça... e é por isso que gosto tanto.. gostei tanto de ouvir sobre o marfim.

"Eu reconheço, caros senhores: o sol que brilha na savana pode parecer por demais a pino. Mas eu continuo a enfrentar o caminho nessas areias, seguindo adiante, passo a passo, lenta ou rapidamente. E sempre, sempre com a exuberância dos meus marfins que ostento no mundo."

E esse final.. foi tão vivaz e esperançoso!

É sempre bom visitar-te!

Bjim, querido!

BABI SOLER disse...

E cada um sabe onde buscar seus marfins.
Boa semana!