11 abril, 2008

Talvez

Toda essa vontade de desabafar, esse palavrório que se emaranha como fogo ainda não-cuspido aqui dentro, me cansa bastante.

Talvez seja melhor um cigarro, para expurgar pouco a pouco na fumaça um certo pesar que acordou comigo hoje, antes de vir trabalhar.

Talvez eu devesse mirar a janela por detrás do vidro e contemplar a chuva que cai forte sobre o Rio de Janeiro. Quem sabe perder meu olhar de vista ou até abrir a porta e me chafurdar na água.

Talvez eu queria encontrar mais palavras para escrever, mesmo que eu não consiga fugir do lugar-comum quando o assunto é o amor, seus desdobramentos e ressentimentos.

Talvez eu pudesse quebrar um espelho e atirar todos os cacos para o alto, para ver se rasgo esse meu céu negro e nele crio estrelas fulgurantes, mas confesso que temo os sete anos de azar.

Talvez eu apele para os deuses e deusas que um dia nos criaram, mas não quero me ver esbaforido por aí e me perder no caminho até o cume da montanha, que nos aproxima um pouco mais de suas moradas no alto.

Talvez eu tenha que ficar um pouco sozinho, mas não sei mais conviver com as mesmas músicas, o mesmo incenso, as mesmas cartas do tarô e as mesmas paredes.

Talvez eu precise mesmo é dos olhos-nos-olhos do Chico, mas não sei se quero encarar agora, tète-a-tète, o meu real cansaço com tudo isso.

Talvez seja melhor esperar um pouco. Pelo menos, até você, de fato, se manifestar.

[...]




“Sim, estou cansado,
E um pouco sorridente
De o cansaço ser só isto —
Uma vontade de sono no corpo,
Um desejo de não pensar na alma,
E por cima de tudo uma transparência lúcida
Do entendimento retrospectivo...
E a luxúria única de não ter já esperanças?”
[Fernando Pessoa, Álvaro de Campos]





[Quem quiser conhecer mais sobre a velha casa, fica o convite para ler uma conversa bacana que tive com o pessoal do Entre Vistas.]

6 comentários:

Ana Cláudia Zumpano disse...

Daniel,
acho que precisa mesmo é dos olhos-nos-olhos do Chico, uma companhia ne alma, pra que vc descanse e volte até mesmo a ter a boa convivência com suas músicas, o mesmo incenso, as mesmas cartas do tarô e as mesmas paredes. O cansaço cega, mas a calmaria vem tçao boa...
Bjos ;*

Tudo ou nada ... disse...

Tavez seja melhor mudar de vida, de visão .. afinal de contas é a sua vida q importa, ñ a do seu amor.
Abraços

FlaM disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
JP disse...

Li até aqui.
Matando saudade aos poucos.
Os textos ainda refletem muitas verdades deste mundo de pura ilusão.
Continue a traduzir cada uma delas.

Marina Mah disse...

Menino, fico tão bem quando te leio, mesmo quando escreves coisas tristes e densas, elas parecem bonitas e tão leves.
Essa "onda" de bolg nos faz achar que conhecemos um pouco essas pessoas, torcer pelos amores e nos preocupar com as esperas tão incansáveis...
Nos fazem querer participar, aconselhar ou alguma coisa assim.
Essas virtualidades me confundem, as vezes.
Beijo grande.

Juliana disse...

E sobra tanto vazio . . .