09 maio, 2008

Da infância



O céu é azul
O sol é amarelo
Você é a princesa
Que faltava no meu castelo




Entrei no castelo
Pelo portão
E me deparei
Com você
Um dragão



[Poema bobinho, feito nos idos dos meus 6 anos para uma professora que não gostou muito da segunda estrofe. Associou a algo que lhe fosse pessoal na época. Nem era, na verdade, mas como o post anterior nos ensinou, cada um interpreta da maneira que quer e que lhe achar conveniente. Hoje, pegando carona na Leila Saads, “escondi” na velha casa a parte que revela certo medo de infância que, num exercício de interpretação, pode reverberar hoje sob outra máscara]



10 comentários:

Rose disse...

Que bonitinho!!! Adoro a simplicidade da infância. A vida da gente deveria ser sempre assim.

bom fim de semana, amigo!

beijos

**sexta-feira de céu azul, mar calmo, dia belíssimo por aqui...

FlaM disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mimi disse...

ah, mas eu achei tão bonito!

:-)

Medo da infância, não tive. Das recordações, todo dia tenho.

beijo

Carolina de Castro disse...

Que graça de poema.
Criança é tuuudo de bom!
Vou te linkar.
bjos

guiiigo disse...

Bobinho porem legal, cara. Foda teu blog, curti.

;D

Camilinha disse...

além de lindo, tem um bom senso incrível...


beijos daqui...

Anônimo disse...

O meu era: Não quero te usar, não quero te perder. Só quero te dizer que me apaixonei por você. Horrível, né? rs

Beijos.

pensetb disse...

Tão certo,acertivo e óbvio quanto o ceu é azul e o sol é amarelo, deve ser essa princesa que falta/faltava no teu castelo
flw

Filipe Garcia disse...

oxi...

saudade da minha infância e desses castelos que a gente pinta com lápis de cor.

Tão bonito aquele tempo.

Abraço!

Leila Saads disse...

Hahaha! Essa segunda estrófe ficou ótima! =]
Uma graça o poeminha!

Pode pegar carona quando quiser, a porta do carro está sempre aberta!

Beijoss=*


Ps: Meu sobrenome tem um "s"no final! As pessoas sempre se enganam com isso! =]]