24 setembro, 2008

Molhado



Em alguns pontos eu contrario minha mãe. Um deles é quando saio do banho, sempre molhado. Não tenho o hábito de me enxugar. Ela não compreende e sobrepõe minha mania com a dela: espalhar três ou quatro toalhas pelo banheiro. Esforço em vão. Gosto da companhia da água nos braços e nas pernas encharcadas, ainda que em proporção ínfima perto da excitação de estar frente ao mar. Acho que gosto mesmo é de ver o corpo evaporar pouco a pouco, alheio ao meu controle. Mesmo correndo risco de um escorregão, sinto a vida mais própria com o movimento das águas em mim. Isso vale, sobretudo, para essas semanas de apatia externa e inquietação aqui dentro. Com a água, sinto movimento na pele. Efêmero, que seja. Porém diário. 

4 comentários:

Dauri Batisti disse...

Também sou muito ligado à água. Segundo uma amiga que curte astrologia e analisou meu "mapa" eu tenho muitos planetas do elemento fogo nas minhas conjunções. Daí minha necessidade de água. Acho astrologia uma bela poesia, só isso. Mas que água é bom, isso é. Água pra se ter, água pra se ver, agua pra ouvir (barulho de água é demais).

Clarice Lis disse...

Ao passar por uma situação dificil, um dia me ensinaram a usar a água da seguinte forma: beba um copo grande de água, para limpar dentro e tome um bom banho, para limpar fora. Deixe a água ficar em você, sinta-se água, sinta a carícia e só depois desse ritual, estará pronto para agir ou não. Intuitivamente você sabe. beijos

Marco Antonio disse...

Sentir na pele para sentir-se vivo...

Anônimo disse...

Nenhum problema com a água no corpo. Apenas com a água que fica marcada no chão de casa. Outra coisa: me deixa agoniada ver uma pessoa tomar banho e não enxugar o pé, rsrs.
É cada uma!