14 outubro, 2007

Nova aurora


Eu quero encontrar a aurora
"A aurora da minha vida"
Hoje, de uma outra perspectiva de vida:
a que se esforça em se fazer querida
em tempos de delicadeza que aos poucos se esvai


Não tenho mais saudades
Da aurora de outrora
Aquela que os saudosistas tanto evocam
Talvez eu acho que ela ainda não tenha amanhecido
Ou cessado meu crepúsculo
Que insiste na indefinição de sua luz



[o dia ainda está claro
mas logo vai escurecer
vamos ver o pôr-do-sol?
senta aqui
acho que dá tempo]




Talvez não
Ou ainda não
O sol pode seguir o ciclo seu de cada dia
Mas seu retorno, por ora, ainda não me é percebido


***


O sol põe-se diariamente
E retoma seu posto inicial pontualmente
Numa espécie de repetição renovada
Atualizada
(ou, pelo menos, uma tentativa de)


Mas às vezes a sensação é de que esse sol não retorna
Talvez ele não siga a minha vontade
Minha pretensiosa vontade
de brilhar, raiar ou apenas fazer-se clarear ao meu bel-prazer
Essa tem sido a sensação que ficou
Da última aurora que me lembro da vida



[Desculpem-me os puristas
Mas não consigo olhar pra trás e dizer:

"Oh! que saudades que tenho
Da aurora da minha vida,
Da minha infância querida
Que os anos não trazem mais!"
]



Eu quero mesmo é amanhecer uma nova aurora
A minha aurora
De qualquer maneira
À minha maneira


Quero olhar da janela uma outra aurora
Sem o seu ciclo ritmado de outrora
Quem sabe até uma aurora imprevisível
Para dar graça a uma vida já tão cheia de repetições


Quero começar uma nova aurora
(vejam bem: "começar", antecedido pelo verbo querer
que por sua vez, passa a ser conjugado por este quem vos fala)
É que eu sou (ou quero ser)
O mais novo responsável por essa aurora


E eu estou disposto
A recuperá-la
De qualquer maneira
Repito: de qualquer maneira


nem que, para isso,
seja preciso


recomeçar.



Escutando: Chico Buarque, "Acalanto para Helena" ("Dorme minha pequena / Não vale a pena despertar / Eu vou sair / Por aí afora / Atrás da aurora / Mais serena")

5 comentários:

Anônimo disse...

Ainda bem que uma nova aurora esta sempre disponivel a cada dia que se inicia.
Basta enxergar cada uma como uma oportunidade para mudar e recomecar.

Beijos

Gabi

Anônimo disse...

Dani, amei!!!!!
Lindo, lindo, lindo!!!!
Hj eu to emotiva, daqui a pouco começo a chorar...rs
Amei tudo!!!! E amei seu poema!!!!
Te amooooooooo!!!!
bjocas!
Yayá

Anônimo disse...

aurora
[Do lat. aurora.]
Substantivo feminino.
1.Período antes do nascer do Sol, quando este já ilumina a parte da superfície terrestre ainda na sombra.
2.A claridade rósea que ilumina o céu a este, neste período.
3.O início da vida; a infância:
“Oh! que saudades que tenho / Da aurora da minha vida, / Da minha infância querida / Que os anos não trazem mais!” (Casimiro de Abreu, Obras, p. 93.)
4.P. ext. Princípio, origem, começo.
5.O Oriente.
6.Poét. Rosicler.

Guilherme Lamenha disse...

Claro que lembro de vc, Dani! Tudo bem? Que legal seu blog! É muito bom o exercício do texto, principalmente sem as amarras da profissão. Blog é quase celebração para quem, de fato, gosta de escrever! Vou voltar aqui sempre! Abração!!! ahhh, além dos devaneios do Coração Selvagem, tô mantendo um outro espaço, só dedicado ao cinema: cinepifania@wordpress.com

Carlos Otoni Rabelo disse...

Denso sim, e porque não?
Abaixo as superficialidades! Viva as entrelinhas!

Linda a sua nova aurora. Faz lembrar que se não der tempo de ver o pôr-do-sol hoje, ainda resta o amanhã, ou os "amanhãs"!