08 novembro, 2007

Tijolos amarelos


:: introdução::

Hoje de manhã saí muito cedo
Por ter acordado ainda muito cedo
E não ter nada que quisesse fazer

Não sabia por outro caminho tomar
Mas o vento soprava forte, varia para um lado
E segui o caminho para onde o vento me soprava nas costas

Assim tem sido sempre a minha vida, e
assim quero que possa ser sempre
Vou onde o vento me leva e não me
sinto pensar

[Fernando Pessoa]


***

O caminho que o vento escolheu para seu rumo é o dos tijolos amarelos
Só pra fazer lembrar que a vida pode ser mais bela do que aparenta
E que nessa estrada é possível andar de mãos dadas com a perseverança.


Follow the Yellow Brick Road
Follow the Yellow Brick Road
Follow, follow, follow, follow,
Follow the Yellow Brick Road


Vale pular, saltitar ou mesmo cantarolar. A regra é ser leve.
Não se esqueça: quem está no comando é o vento
Parafraseando Paulinho da Viola:
“Não sou eu que me leva. Quem me leva é o ar”


Follow the Yellow Brick Road
Follow the Yellow Brick Road
Follow, follow, follow, follow,
Follow the Yellow Brick Road



Nem se preocupe em encontrar Oz – o mágico já basta
Sensações como essa podem até não ser muito novas
“Felicidade aqui pode passar e ouvir”
Mas a experiência de vivenciar os tijolos amarelos, essa sim é inédita


Follow the Yellow Brick Road
Follow the Yellow Brick Road
Follow, follow, follow, follow,
Follow the Yellow Brick Road



Não se preocupe se o coração novamente embrutecer
Ou se faltar cabeça, quem sabe até coragem
Basta não deixar que os tijolos percam sua verdadeira cor
E que neles haja sempre mais um par para dançar a música:


Follow the Yellow Brick Road
Follow the Yellow Brick Road
Follow, follow, follow, follow,
Follow the Yellow Brick Road



3 comentários:

Paula Eliza disse...

muito maneiro!!!!
vc escreve bem mesmo
contunua assim
beijão

Vulgo Dudu disse...

E é nessa parte do filme que começa a tocar, no CD do Pink Floyd, "Money"... Porém, ainda sou resistente em acreditar que amarelidão tenha a ver com ouro.

Abs!

Carlos Otoni Rabelo Paula disse...

Sempre há um par pra gente dançar, sempre...E se for por cima dos tijolos amarelos então!

Abra a janela, querido! Deixa o vento entrar!

Toni.