05 novembro, 2007

Sinuca


CENA ÚNICA: (BAR COM SINUCA/INT/NOITE)
Música de fundo: “Seu olhar”, Seu Jorge



A bola branca insistia em cair na caçapa
Errava o ponto exato da mira
A tacada não tinha a intensidade perfeita
Eram demais os desvios
Para quem só buscava um inédito acerto

CORTA PARA:

Giz, um trago
Nova chance
Meio copo de cerveja quente
Expectativa
Leveza, precisão
Pede licença para não esbarrar em alguém
Taco rente ao nariz, olhos na mira imaginária
Sinto falta dos óculos


CLOSE:

Tempo
Pelos lados, cinturas
E fichas outras
Novas jogadas
Duas ou três bolas sobrevivem
A mão se posiciona melhor na haste final do taco
Intensidade
E a bola azul encontra o seu destino
Para surpresa geral de todos

CORTA PARA:

A comemoração é silenciosa
Quase comedida
Vem pelas costas, sorrateira
Num permanente instante de fugacidade
Num permanente instante de felicidade

CORTA PARA:

Mais uma ficha
Nova partida
Na lousa, os pontos da derrota
O versus que reverbera
Dedo em riste
Outra cerveja, por favor
E uma água também

CORTA PARA:

Sono inevitável
Corpo quer falar mais alto
A memória, inevitavelmente, se sobressai
Evoca em slow motion
A lembrança da comemoração
O instante único
Efemeridade eternizada


FUSÃO PARA
:

Procura-se um ombro amigo
Pra bater um samba antigo e rememorar?
Não.
Era para, enfim, ganhar aquela noite
Mesmo com apenas uma bola azul no fundo da caçapa
É que, naquela hora, uma outra batalha se encerrava:
A que transformou o efêmero em efeméride



SOBE SOM
DEIXA: {{... "o efêmero em efeméride"}}


2 comentários:

Vulgo Dudu disse...

Mistura de roteiro com poesia... Ficou muito bom!

Abs!

Denise Carla disse...

Daniel,
Desde sempre eu soube que vc é uma pessoa especial.
Suas linhas, seus versos, seu jeito, enfim, você... Que se revela a cada manifestação exercida.
Cabe a nós, simples mortais, entendermos tb (e inclusive) as suas entrelinhas.
Parabéns, por ser tão especial.
"Amocê", meu irmão e melhor amigo.
Beijos