03 junho, 2008

À esquerda da cama



No lado esquerdo da cama, convivem livros, luminária e um caderninho de anotações. São rasuras revisitadas por alguém que preza a idéia de viver o amor feito à mão, mesmo que certas vezes a caneta que escreve seja carregada demais na sua cor. Os rabiscos não seguem linhas nem seqüência de páginas. Ganham vida à noite na mesma proporção que sentimentos afloram na angústia de serem decifrados.

Ainda à esquerda da cama, moram juntos o sono, o silêncio, os sonhos e medos, que se equilibram entre os travesseiros para encenar o espetáculo de toda madrugada. Nem sempre assisto, é verdade, mas esta é uma decisão que vai além de uma vontade própria. Pouca coisa me prende a atenção quando acordo, nas manhãs ainda escuras no céu diante da insistência da lua, talvez única espectadora dessas cenas montadas à revelia do meu olhar.

Na esquerda, eu me deito todos os dias, sempre virado para a parede. Quase em posição fetal, o corpo pede um ar mais fresco para ver se assim abranda o calor das emoções que surgem nas horas finais de leitura e de versos antes do sono. A serenidade deste momento caminha com o desassossego de uma constatação diária: o lado direito da cama, vazio e intacto, lugar onde meu amor repousa sereno, à espera de sua chegada, para um dia servir-lhe de morada.



15 comentários:

Poeta Mauro Rocha disse...

A nova casa na verdade é a velha moradia, obrigado pela visita.

MAURO ROCHA

Nilson Barcelli disse...

Uma descrição interessante de uma cama e de algumas coisas que a rodeiam e habitam...
Belo texto.

Obrigado pela tua visita, volta sempre.

Abraço.

Dauri Batisti disse...

Como é bom visitar esta casa. Sempre se serve aqui sabores doces e outros tão bom de degustar como este texto lindo.

Luifel disse...

Kra, encontrei o seu blog e gostei bastante kra.

A sua descrição da sua cama, ou seu quarto ficou impressionante!

Abç e qdo puder dá uma passada lá no meu espaço blz?

http://biblinotas.blogspot.com

Camilinha disse...

A hora do sono é o climax da solidão... eu enchi os lados da minha cama com lembranças e ursinhos de pelúcia. às vezes ajuda, às vezes não...


beijos daqui...

Cacau disse...

A hora do sono.. hora das lembranças, dos amores, da inspiração.

Abraço.. muito bom o blog

Anônimo disse...

NOSSA!! Caramba Daniel, que texto hein??? Meu Deus! Quanta simetria nas palavras e nas expressões, sempre recheadas de sentimentos puros e verdadeiros... a perfeita descrição de uma vontade que se encontra escondida no mais profundo recanto do ser, e que no fundo, todos nós a possuímos. Espero que para todas as pessoas, um dia, o lado direito da cama deixe de estar vazio!!!

Abração e parabéns!!
Está linkado!

Camila disse...

Nossa! Me senti em meu quarto.
Em meu mundo. Em meu coração. Em mim!
Belo texto.
Belo blog.
Beijo
=)

Luly disse...

Olha só!
Assim é aqui também, mas do lado direito...
:)

Clarice Lis disse...

À esquerda da sua cama tocou o lado esquerdo do meu peito ... experimente mudar de lado, comece deitando no meio e a cada dia vá consquistando um pedacinho da direita, até se sentir completo.

Bandys disse...

Daniel,

Amei o que escreveu aqui e la no meu blog.
Uma amdrugada é sempre bela seja acompanhada ou sozinha...
Um beijo

Corações & Segredos disse...

Oi!
Licença?
Vim espiar sua casa e amei, me emocionei com esse lindo poema...

"Ainda à esquerda da cama, moram juntos o sono, o silêncio, os sonhos e medos, que se equilibram entre os travesseiros para encenar o espetáculo de toda madrugada."

Parabéns amigo!

J.Machado disse...

Tudo bem grande Daniel?
Nas poucas vezes que tenho entrado no blog, sempre visito o seu já linkado. Acompanho-o como posso, só confesso que não tenho tido muito tempo pra comentar. Nem ando escrevendo muito no meu.
Tenho um texto bem parecido com o seu, até na foto. Chama-se "O lado direito da cama".
Publiquei este ano, fevereiro ou março.
Mas bacana ler-me em suas palavras.
Grande abraço!

sinhã, a. disse...

Provocaste-me lágrimas. :-)

Daniele V. disse...

Olha, dessa casa eu gostei.
Visito muitas, que precisam de reforma, mas essa aqui... nota dez!

O lado esquerdo da cama diz muito sobre quem habitua a casa. Livros na cabeceira e versos antes de dormir já são dados importantes para imaginar o autor que escreve.

Eu posso lhe visitar sempre que preciso?

Mi casa é su casa. Estará de portas abertas.