24 outubro, 2007

Escuta


Nesta pequena conversa registrada hoje, os personagens não quiseram se idenficar. Ainda não se têm pistas sobre o perfil dos envolvidos, mas há suspeitas de que sejam rivais. Escutas autorizadas revelam o teor dos diálogos.

– Olá, como vai?
– Eu vou indo e você, tudo bem?
– Tudo bem, eu vou indo correndo pegar meu lugar no futuro, e você?
– Tudo bem, eu vou indo em busca de um sono tranqüilo. Quem sabe?
– Quanto tempo...
– Pois é, quanto tempo...

– Me perdoe a pressa. É a alma dos nossos negócios.
– Qual, não tem de quê. Eu também só ando a cem.
– Quando é que você telefona? Precisamos nos ver por aí.
– Pra semana prometo, talvez nos vejamos, quem sabe?
– Quanto tempo...
– Pois é, quanto tempo...

– Tanto coisa que eu tinha a dizer, mas eu sumi na poeira das ruas.
– Eu também tenho algo a dizer, mas me foge a lembrança.
– Por favor, telefone, eu preciso beber alguma coisa rapidamente.
– Pra semana...
– O sinal...
– Eu procuro você...
– Vai abrir! Vai abrir!
– Eu prometo, não esqueço, não esqueço.
– Por favor, não esqueça.

– Adeus.
– Adeus.

***

Sinal fechado.
Por enquanto, não consigo ver muito além
Do que as balas que põem no meu retrovisor:

"Eu poderia estar matando ou roubando
Mas estou aqui pedindo. Preciso de ajuda.
Por favor, colabore com R$ 1"
O sinal abriu.
O vidro continua fechado.
A bala volta com tantas outras
para a caixa de papelão.

E eu sigo a poeira das ruas.



[Notapé: o diálogo acima foi feito entre a mente e o coração.
Em depoimento, eles afirmam que nem sempre andam em sintonia,
mas que um dia prometem se rever. Pra semana, quem sabe.
E a música é "Sinal fechado", de Paulinho da Viola]

4 comentários:

J.P. disse...

"O coração por muitas vezes apela à mente, mas ela só o escuta, quando ele já está cansado..."

Sobre o que você não escreve bem mesmo?

Beatriz Padrão disse...

Bom dia Dani!!!!
Que lindo seu blog...desculpe a demora para visitá-lo, mas hoje o li inteiro. Quanta poesia hein!!! amei!!!! Ah! Adorei o samba também...já tô até com vontade de ver essa escola desfilar...Que saudade do carnaval!!!!!
Bjoooooossss da sua amiga q t admira muuuuiiito!

Cristina disse...

A maioria das conversas nas ruas é parte de um conjunto de pequenos diálogos que, se observados com cuidado, parecem incompletos.

Beijos

Vulgo Dudu disse...

A angústia do sinal é justamente saber que em pouco tempo ele vai abrir. Não temos tempo de conversar nem com quem pára ao nosso lado, quanto mais com a razão ou com o coração.

Abs!