19 janeiro, 2008

Incenso


Estou longe de mim, mas à frente de um pensamento turvo que ronda as matas das minhas madrugadas, sempre ao deitar-me à cama. “Quem é você e o que faz por aqui?”, canta, mais uma vez, Bethânia. “Eu guardo a luz das estrelas”, prossegue a mestra, numa voz trêmula e combalida.

Do céu, uma fagulha de luz me alumia pela fresta da janela. O aviso é curto: é chegada a hora de acender um incenso, mas não à noite. “Faça isso de dia, para ver o desenho da fumaça que, aos poucos, vai ganhando espaço no vácuo do céu”, recomendam as vozes que pedem licença para ocupar a consciência por alguns instantes.

Na loja, já no dia seguinte, está toda sorte de mirras, alfazemas, jarros e flores. Quero apenas um incenso, para seguir as recomendações anônimas que vieram do alto céu. O vendedor aponta para o mais inodoro, mas que lança no ar a combustão sagrada da purificação daqueles que ainda se atormentam com o passado plúmbeo da adolescência.

Chego ao terraço, depois de esperar passar a pouca chuva que empapuçou o piso branco. Ali, sozinho, faço uma pequena festa em louvor às nuvens do céu. Sou apenas eu e alguns passarinhos, sem buzinas, sem trânsito, sem batucada ou qualquer outra espécie de gritaria que têm me acompanhado nesses últimos dias.

Eis que foi feito o meu altar de devoção e gratidão, celebrado naquela hora pela representação do vento, correndo de ponta a ponta com um leve assobio. O verde, de onde vem a seiva da vida, eu colho do imaginário, povoado por um instante pela esperança de que a velha casa, um dia, acenda as luzes do salão para a festa de um reencontro: a de seu morador com ele próprio.

3 comentários:

M.Cesar disse...

nossa...a produçao ta rapida hoje hein..mas dessa vez me perdi no caminho :(..de qualquer forma, as palavras têm seu peso e beleza.

Marco Antonio disse...

Gostei tanto desse texto... tem dias que acordo assim...
Vontade de guardar a luz das estrelas dentro de mim...

Gostei muito do seu blog, vou adicioná-lo no meu.

Marco Antonio disse...

Engraçado, hoje de manhã reservei um livro dela pra ler esta semana.

Eu estava procurando um outro da Jane Austen, mas encontrei "Perto do coração selvagem"...

Boa escolha, não?